sobre cuidados paliativos em oncologia

Posted: Outubro 19, 2011 in oncologia, qualidade de vida
Tags: , , ,

nota- desculpem a demora, as vezes temos períodos mais ocupados… esse texto que escrevi foi publicado na folha de londrina há umas 3 semanas, na coluna sua saúde, quem não leu no jornal pode ler aqui. Abraços a todos!

 

Apesar dos inúmeros avanços da oncologia, ainda encontramos várias situações de doenças “incuráveis”. Geralmente ocorrem quando a enfermidade já está avançada, ou quando se trata de tumor agressivo e de difícil tratamento.

O que “incurável” quer dizer para a cultura popular? O brasileiro possui uma noção errada que o câncer, quando está avançado, “não tem mais o que fazer.” Esta frase, ainda muito usada, inclusive por médicos, está longe da realidade.

Tão importante quanto a busca da cura está o alívio do sofrimento. Existe um ditado antigo, atribuído a Hipócrates, “divinum opus sedare dolorem” que significa “sedar a dor é divino”.  Esta é a maior e mais nobre missão da medicina. Os cuidados paliativos seguem esses conceitos, focando na qualidade de vida do ser humano.

A abordagem paliativa na oncologia inclui várias modalidades de tratamento. Quimioterapia, radioterapia, hormonioterapia, cirurgia, alem do suporte multidisciplinar (paliativista, nutricionista, psicológico, fisioterapeuta entre outros). No caso do oncologista clínico, cabe a ele decidir que tipo de tratamento sistêmico se enquadra para a situação, pesando os riscos e benefícios de cada alternativa terapêutica.

A primeira meta a ser considerada é a de prolongar a vida, mantendo sua qualidade e dignidade. Freqüentemente consegue-se estender a vida do paciente por longos períodos, aproximando o comportamento do câncer com o de qualquer outra doença crônica, como o diabetes ou a hipertensão arterial. Quando aumentar a sobrevida não é possível, o objetivo principal é aliviar o sofrimento. A associação de todas as modalidades citadas acima é capaz de reduzir a dor, deixar o indivíduo mais ativo e estimular o bem estar, tanto físico quanto o mental.

Faz-se importante, portanto, lembrar que o foco da medicina sempre é a pessoa, e não a doença. Por vezes tem-se pouco a fazer quanto à enfermidade presente, mas sempre há muito o que fazer para melhorar a situação do indivíduo que sofre.

Comentários
  1. Leiliana Nunes de Lima diz:

    @Oncologia Dr. Bruno tem como me passar endereços eletronicos de fontes seguras sobre oncologia? ficarei muito agradecida. um abraço.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s