A relação entre médicos e pacientes vem mudando com o tempo. Na época de nossos avós ( e antes disso), o profissional da medicina era visto como um representante de Deus na terra, alguém cuja vontade e orientações nunca poderiam ser questionados, muito menos contestados. Era uma relação “vertical”, onde o médico ficava no topo, detentor de todo o saber, passando a verdade ao paciente, que humildemente a aceitava

Como disse, isso mudou, e muito. A relação agora se tornou “horizontal.” No mesmo nivel de igualdade que o profissional, o paciente deixou de ser um alvo de tratamento para ser um agente ativo na escolha e decisões que serão tomadas acerca de sua própria doença. Isso requer dos médicos toda uma bagagem de habilidades que muitos de nós não tem. Saber conversar, explicar a doença e o tratamento, além de adequar a linguagem e terminologias nem sempre é fácil, mas é muito necessário. Já do lado dos pacientes, estes têm que assumir um grau de responsabilidade sobre si e sobre as decisões a serem tomadas que nem sempre estão preparados

Para isso funcionar, é primordial a confiança. Os lados tem que estar afinados, tem que saber conversar e acertar suas diferenças, sabendo que ambos estarão trabalhando em prol da saúde daquele que está doente. Na oncologia isso fica extremamente evidente. O vinculo médico-paciente se torna extremamente forte, por vários motivos. O primeiro é pela freqüência que o oncologista e seu paciente se encontram, que costuma ser muito maior que nas outras especialidades. Por vezes atendo o mesmo paciente mais de uma vez na semana, por vários meses. O segundo fator é pela fragilidade emocional em que o paciente se encontra, e por isso tende a se apegar de maneira muito forte em seus pontos seguros, um deles sendo o médico

Por ser tão importante, a confiança fica sendo um pré-requisito para um tratamento bem sucedido. É inconcebível aceitar receber uma medicação capaz de induzir vômitos, imunodepressão, fraqueza (entre outros efeitos), vindo de alguém que não se pode confiar. Fica aqui minha sugestão: se não confia em seu oncologista, procure outro. Tenho certeza que você e ele estarão melhor assim.  Por outro lado, quando encontrar um profissional de confiança, tenha-o como uma referência, e evite “pular de galho em galho”, afinal quem tem muitos médicos não tem nenhum.

Como todas as relações humanas, existirão aquelas pessoas que por melhor que sejam não terão afinidade umas com as outras. Por mais que tente, o profissional não conseguirá agradar a todos. Do outro lado, existirão aqueles pacientes que são incapazes de confiar em seus médicos, independente da qualidade dos mesmos. Estes são pessoas em situação muito triste, pois situam-se em fase delicada e dependente, mas não conseguem se ligar a nenhum especialista, por mais necessário que seja

Fica então, novamente, a minha sugestão: em tratamentos longos e complexos o primeiro passo em busca de sucesso é procurar uma relação de confiança com seu oncologistal. Isso se cria com muita conversa, boa vontade e paciência!

Comentários
  1. MD diz:

    Relação médico-paciente: cada vez mais difícil, devido a um sistema perverso de planos de saúde e cada vez menos tempo com os pacientes devido a massificação de atendimentos:cada vez mais, o médico e o paciente se distanciam.Precisamos ficar atentos.

  2. Dr. Bruno, conversei com um paciente de Porto Alegre, tem a minha idade, também tem osteossarcoma, e também é blogueiro. Ele me passou este artigo: http://jco.ascopubs.org/content/26/4/633.full.pdf sobre uma droga que tem sido eficiente, segundo o médico dele, após participar de um Congresso em Paris. Se quiser/puder dar uma olhada, se é que já não viu…. Obrigada!

  3. Bruno pozzi diz:

    Oi suellen

    O estudo nao engloba pacientes com o teu perfil, e nao tenho acesso a esse remedio de maneira facil, de qq maneira, tente descobrir quem e o medico e seu email, eu entro em contato com ele para ver a experiencia que ele teve, ok?

  4. Eu acho que agora não adianta mais, mas só hoje o menino me respondeu. O nome do oncologista é Dr. Júlio Scliar Rerin e o telefone de contato é o da CliniOnco: (51) 4009 6010🙂

    • Juliana diz:

      Meu irmão se tratou com o Dr. Júlio Scliar e o tratamento foi 100% sucesso. O Dr. Julio sempre foi atencioso e disponível para a minha família. Agradeço muito a ele pela 2ª chance de vida que ele proporcionou para o meu irmão.
      SUPER RECOMENDO.

  5. Izabel diz:

    Olá!
    Acredito que a boa relação entre médico e paciente é fundamental para o tratamento. Atualmente trato um tumor de mama com o Dr. José Pedro Laydner e acho que ele um masto/oncologista excepcional. Sempre o que ele tem a me dizer procura dizer com carinho sem deixar de ser responsável com as palavras, pois acreditamos eu e ele que o tumor é curável embora a cura vá depender das reações do organismo.
    Nas conversas que tive com ele falamos muito sobre o fato de viver um dia de cada vez mesmo quando não houver mais sinais da doença.
    O tumor T2N1M0 foi previamente retirado e estou na fase quimioterapia adjuvante.
    Me ajuda muito o fato de poder conversar com ele, pois embora eu não queira que a doença retorne não quero ficar obssesiva contando o tempo para a cura, pois acho que isso impede que se aproveite a vida no momento.
    Abraço!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s